GSE Automotiva

banner

Aumento do preço dos automóveis em 2014

Previsão de aumento devido a retomada do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).


Matéria publicada pelo Jornal do Commercio prevê o aumento dos automóveis para 2014 e entrevista especialistas da área, entre eles, o Diretor da GSE Automotiva, Luiz Fernando Fiore Dourado.

Leia na íntegra:

Carro mais caro em 2014

A retomada do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e a introdução obrigatória de itens de segurança deixarão os carros mais caros a partir de 2014. A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) estima que o efeito da tributação pode ter impacto de até 5,6% nos preços. “O governo ainda está discutindo qual será o percentual de repasse parcial do tributo. Dependo do salto, o carro pode ficar de 1,1% a 5,6% mais caro”, afirma o presidente da Anfavea, Luiz Moan.

O imposto foi reduzido a zero para os carros populares em abril do ano passado. Neste ano, foi gradualmente recomposto e está em 2%. Em 2014, o IPI voltaria à alíquota original, de 7%, mas o governo já sinalizou que a retomada vai ser parcial. Também pesará no preço dos carros a inclusão do ABS e do airbag, que
passarão a ser obrigatórios. O custo adicional é estimado em R$ 1.000 por veículo. O anúncio da elevação de
preços tem como objetivo instigar o consumidor a ir às lojas em dezembro, o que poderia salvar o ano do setor, que fechou novembro com um volume de vendas acumulado 1,4% inferior ao do mesmo período de 2012. Os dados consideram apenas veículos de passeio e comerciais leves.

Para chegar à meta prevista pela entidade, de crescimento de 1% do setor no ano, as montadoras teriam de vender 430 mil unidades em dezembro. O recorde de vendas, 420 mil unidades, foi alcançado em agosto do ano passado, quando o mercado também vivia a expectativa de aumento do IPI, que acabou cancelado por decisão do governo. Caso o plano falhe, esta será a primeira retração nas vendas desde 2003. No acumulado do ano, as vendas somam 3,2 milhões de unidades.

O diretor-executivo da GSE Automotiva, Luiz Fernando Fiore, aposta na permanência do IPI em um patamar baixo. Para ele, é preciso manter o fôlego das empresas nas vendas, enquanto as montadoras desenvolvem os produtos e avaliam como colocar em prática o InovarAuto, programa de benefícios fiscais em troca de exigências como menor consumo de combustível e percentual de nacionalização.
 
O tributarista Antônio Elmo Queiroz, do Queiroz Advogados, explica como a própria natureza do incentivo é temporária. “Voltar à alíquota cheia é algo que não deve acontecer. Apesar da atividade econômica não estar forte, todo incentivo é para ser dado pontualmente. Deve ocorrer como com os eletrodomésticos da linha branca e ter um retorno gradual, até como teste”, afirma Queiroz.

Fonte: Jornal do Commercio, Recife, PE. Edição 06 de dezembro de 2013 – Número: 340, Ano 95, Caderno:Economia
 
Mais informações: Comunicação Corporativa e Imprensa
Contato: Priscila Di Bartolomeo
E-mail: pbartolomeo@gseautomotiva.com
Telefones: (11) 3044.2678 / (11) 98215.0876



Voltar para notícias

Notícias

Encontre aqui as novidades da nossa empresa e do segmento automobilístico



SÃO PAULO, SP

Rua do Rócio, 423, conjunto 611 – Vila Olímpia

CEP: 04552-000 - Telefone/Fax: +55 11 3045.0816

:: Ver Mapa ::

ANÁPOLIS, GO

Via Primária 07-D, S/N QD 12 Módulo 11 - DAIA

CEP: 75132-140 - Telefone: +55 62 3098.9059

:: Ver Mapa ::

Copyright 2013 - Todos os direitos reservados

Abimaq